O Meu Cachorro Foi Picado por uma Abelha! O Que Fazer?

Esses dias a noite, uma amiga ligou dizendo que o cachorrinho dela havia sido picado por uma abelha há poucos minutos atrás e que o seu focinho estava muito inchado. Ela me perguntou: “o que eu faço?!”. Diante da aflição do momento e da dúvida sobre o que fazer, preparamos esse post para esclarecer as suas dúvidas sobre a picada de abelhas em cachorros e para instruir você a como agir se isso acontecer com o seu melhor amigo.

O Meu Cachorro Foi Picado por uma Abelha! O Que Fazer?

Você só precisa fazer uma única coisa: leve imediatamente o seu cachorro a uma clínica veterinária da sua confiança. O médico veterinário fará a remoção correta do ferrão e a administração da medicação adequada para o seu cãozinho. E jamais tente sozinho remover o ferrão!

Como identifico se o meu cachorro foi picado por uma abelha?

Como a abelha morre ao ferroar a vítima, é possível encontrar a abelha morta pelo chão do ambiente onde aconteceu a picada.

Também é possível a visualização do ferrão e do saco de veneno, pois na ferroada, ambos ficam retidos na pele. Já vespas e marimbondos não deixam o ferrão na pele e podem ferroar a vítima várias vezes.

Geralmente, os cachorros apresentam vermelhidão da pele (eritema), inchaço (edema) e dor. Essas lesões são mais frequente na região da cabeça e das patas, pelo hábito frequente de farejar o ambiente.

Posso tentar remover o ferrão?

Jamais! Embora a intenção seja boa, ela pode causar alguns problemas.

Existe uma maneira certa de remover o ferrão da abelha, o qual deve ser raspado para fora da pele até que seja completamente desalojado. O ferrão nunca deve ser apertado com pinça ou com os dedos, visto que assim o saco de veneno pode romper, expondo ainda mais o cachorro ao seu conteúdo. A remoção do ferrão deve ser realizada o mais rápido possível, pois pode injetar veneno no animal por até 2 a 3 minutos após se separar da abelha.

Além disso, essa experiência pode ser estressante para vocês dois e ambos podem se machucar.

Por isso, é necessário que você leve imediatamente o seu cachorro em uma clínica veterinária da sua confiança, onde há médicos veterinários preparados para lidar com a situação, remover corretamente o ferrão e administrar a medicação adequada para o seu cãozinho.

Como o ferrão e o veneno da abelha agem no organismo?

As reações desencadeadas podem ser locais ou sistêmicas e de origem tóxica ou alérgica. As reações de origem tóxica estão associadas aos componentes do veneno e as reações de origem alérgica estão associadas a resposta inflamatória do próprio organismo. É importante considerar que uma reação sistêmica de origem alérgica caracteriza um choque anafilático – que será abordado na sequência.

O veneno da abelha, também chamado de apitoxina, é produzido em glândulas localizadas no abdômen da abelha e é introduzido no corpo da vítima por um canal existente no ferrão. Apresenta como componentes a histamina, a melitina, a apamina, a hialuronidase e a fosfolipase.

Basicamente, a picada da abelha desencadeia uma reação inflamatória mediada principalmente pela histamina. Ao detectar o estímulo agressor, os anticorpos chamados Imunoglobulinas E se ligam na superfície das células de defesa chamadas basófilos e mastócitos, que produzem histamina, estimulando a liberação de pequenos grânulos com a substância.

A histamina age nos vasos sanguíneos periféricos, causando vasodilatação e extravasamento de fluido plasmático para o tecido extravascular com posterior acúmulo desse fluido entre os vasos sanguíneos e o tecido conjuntivo, o que resulta no inchaço (edema).

Também age na musculatura lisa, aumentando a contração e o peristaltismo, o que pode causar constrição das vias respiratórias e hipermotilidade intestinal.

Como é feito o tratamento da picada de abelha nos cachorros?

Após a remoção do ferrão, recomenda-se compressas de gelo para alívio da inflamação, lidocaína tópica para alívio da dor, anti-histamínicos (como a difenidramina) e anti-inflamatórios esteroidais (como a prednisolona) para diminuir a resposta inflamatória. O paciente deve ser monitorado nas 2 a 3 horas seguintes para observação da resposta ao tratamento.

Lembrando que o tratamento deve ser realizado exclusivamente por médicos veterinários!

E sobre o choque anafilático?

Embora não seja comum, é possível os cachorros entrarem em choque anafilático por uma picada de abelha.

Na anafilaxia, os animais começam a apresentar os sinais clínicos dentro de 15 minutos após a exposição, os quais cursam com edema, coceira, dificuldade respiratória, salivação, fraqueza muscular, incoordenação dos membros, vômito, micção, defecação e convulsões.

Quanto mais intensa a reação, maior é a liberação de histamina e maior é a vasodilatação. A vasodilatação diminui o retorno venoso (quantidade de sangue que chega ao coração), acumulando o sangue nas veias e diminuindo o volume de sangue circulante no corpo, o que causa insuficiência cardíaca e hipovolemia.

O tratamento de deve ser feito a fim de impedir o colapso cardiovascular. Recomenda-se a  administração precoce de fluidoterapia, anti-histamínicos (como a difenidramina) e anti-inflamatórios esteroidais (como predinisolona). O uso de epinefrina (adrenalina), que faz a constrição dos vasos periféricos, aumenta a pressão arterial, dilata as vias respiratórias e aumenta a frequência cardíaca e a força de contração do coração pode ser útil desde que seja no início do choque.

Como prevenir que o meu cachorro seja picado por uma abelha?

Tenha cuidado com flores, pois abelhas coletam o pólen e o néctar delas para a sua alimentação. Observe se há colmeias em árvores próximas da sua casa. Em alguns casos, é preciso chamar serviços dedetização para remoção de colmeias do ambiente urbano. Por último, verifique a vasilha de água do seu cãozinho, pois mesmo a abelha morrendo afogada, o seu ferrão ainda pode causar problemas.

Agora você já o que fazer se o cachorro for picado por uma abelha: levar imediatamente a uma clínica veterinária e jamais remover o ferrão por conta própria. Com a remoção correta do ferrão e a medicação adequada, seu cãozinho irá se recuperar rapidinho. Para saber mais sobre clínicas veterinárias 24 horas em Porto Alegre, confira o post “Clínicas Veterinárias 24 horas em Porto Alegre: encontre a mais próxima de você“. Mais alguma dúvida? Deixe nos comentários! 🙂

Ah, e lembra do cachorrinho do início do post? Ele foi levado a um médico veterinário, recebeu o tratamento adequado e passa bem! 😉

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *