Câncer Animal: Conscientização e Combate no Setembro Lilás

Câncer animal: conscientização e combate no setembro lilás

1. O que é o setembro lilás?

O setembro lilás é o mês dedicado a conscientização e combate do câncer animal, doença que tem acometido muito cães e gatos atualmente. O objetivo do setembro lilás é difundir as informações sobre o câncer animal para auxiliar os tutores na prevenção e no diagnóstico precoce da doença, garantido a proteção dos seus bichinhos.

2. O que é o câncer animal?

A neoplasia, que pode ser benigna ou maligna, corresponde ao crescimento anormal dos tecidos do organismo de forma não-responsiva aos mecanismos de controle de crescimento. As células começam a se proliferar de forma desordenada devido a uma série de mutações no seu DNA.

A neoplasia benigna é caracterizada pela presença de um tumor não-cancerígeno (benignos) no organismo dos animais. Os tumores benignos apresentam taxa de crescimento lenta, crescem ao se expandir pelo tecido e não cursam com metástase.

A neoplasia maligna, ou câncer, é caracterizada pela presença de um tumor cancerígeno (maligno) no organismo dos animais. Os tumores malignos apresentam taxa de crescimento rápida, crescem  ao invadir e se infiltrar no tecido e cursam com metástase.

A metástase é o processo pelo qual as células tumorais se disseminam pelos vasos sanguíneos ou vasos linfáticos para outros lugares do corpo, como pulmão e cérebro, por exemplo.

3. Quais são os tipos de câncer mais comuns em cães e gatos?

Os tipos de câncer mais comum em cães e gatos atualmente são o câncer de mama, o câncer de pele e o linfoma. Alguns tipos comuns de tumores estão listados abaixo.

Papiloma: nódulos pequenos que lembram uma couve-flor na mucosa oral de cães; são induzidos por vírus; podem regredir espontaneamente; mais comum em cães com até 1 ano de idade.

Tumor venéreo transmissível: lesões na vulva, vagina, pênis, prepúcio, mucosa oral e nasal; transmissão pelo coito, sendo mais comum em animais de rua.

Linfoma: tumor de células linfóides; linfonodos com aumento de volume; mais comum em animais de meia idade.

Carcinoma de células escamosas: tumor de pele, que pode ocorrer em qualquer parte do corpo; lesão erosiva; mais comum em animais mais idade.

Mastocitoma: tumor de mastócitos; nódulo de crescimento lento; pode ocorrer em animais de qualquer idade.

Osteossarcoma: tumor de ossos longos próximos às articulações de crescimento rápido; incapacidade de apoiar a pata no chão, inchaço, dor.

4. Quais são os sinais clínicos do câncer animal?

Os sinais clínicos do câncer animal dependem muito do tipo de tumor. Algumas vezes, os sinais clínicos podem ser inespecíficos, como emagrecimento, febre, prostração, vômito e diarréia. Alguns tumores podem cursar com aumento de volume em determinada região do corpo ou lesões cutâneas pelo corpo.

Alguns tipos de tumores podem vir acompanhados de alterações sistêmicas, como hipertermia, anemia, caquexia, distúrbios na coagulação e neuromiopatia, sendo chamadas de síndrome paraneoplásica.  Exemplos desses tumores são o linfoma, o carcinoma, o mastocitoma e o osteossarcoma.

5. Como é feito é o diagnóstico do câncer animal?

O diagnóstico do câncer animal é realizado por médicos veterinários a partir do exame físico do paciente, exames de sangue e exames complementares de imagem. A radiografia torácica e a ultrassonografia abdominal auxiliam na pesquisa de metástase.

O diagnóstico definitivo é realizado por meio do exame de biópsia, o qual consiste na coleta de material do tumor e a sua análise em microscópio, permitindo assim identificar o tipo e o grau do tumor.

Importante: o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento! Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, mais chance o tratamento tem de ser eficaz.

6. Como é feito o tratamento do câncer animal?

O tratamento do câncer animal depende do estado geral do paciente, do tipo e do grau do tumor e o seu objetivo pode ser erradicar o câncer ou estacionar a sua evolução, melhorando a qualidade de vida do paciente.

As opções de tratamento do câncer animal são a cirurgia para remoção de tumores maiores, a criocirurgia (aplicação de nitrogênio líquido), a quimioterapia (uso de medicamentos específicos) e a radioterapia (uso de radiação ionizante), as quais promovem a destruição das células tumorais, e o tratamento multimodal, o qual consiste na combinação das opções anteriores.

7. Como é feita a prevenção do câncer animal?

A prevenção do câncer animal pode ser feita por meio de consultas periódicas ao médico veterinário, para que o profissional avalie o paciente e realize exames de rotina a fim de identificar alterações que podem representar um possível risco para o paciente.

Além disso, o câncer de mama em cadelas e gatas e o câncer de próstata em cães e gatos podem ser prevenidos por meio da castração antes de 1 ano de idade. A castração é um procedimento simples que diminui muito as chances de desenvolvimento da doença.

Câncer animal: o que é, tipos mais comuns, sinais clínicos, diagnóstico, tratamento e prevenção

Faça parte do setembro lilás e ajude na conscientização e no combate do câncer animal: compartilhe esse post com os seus amigos e leve sempre o seu animalzinho para consultas periódicas com o médico veterinário da sua preferência! 🙂

E, você quer saber como garantir que o seu pet está realmente prevenido contra diversas doenças e que ele está sendo vacinado corretamente? A resposta é simples: basta acessar o Guia de Vacinação de Cães e Gatos, desenvolvido especialmente para tutores de cães e gatos. Com este material, você poderá garantir que o seu pet está recebendo as vacinas corretas nos períodos corretos e que ele está recebendo também vacinas de qualidade, além de saber quais as doenças as quais ele está protegido e o que elas causariam, as reações adversas das vacinas, os locais indicados para aplicação de vacinas em gatos e muito mais! Clique aqui para acessar e fazer download o Guia de Vacinação de Cães e Gatos e garanta que o seu pet esteja realmente prevenido.

Microchip Para Cães e Gatos: O Que é, Como Funciona, Onde e Como é Implantado, Qual é o Preço?

Microchip para cães e gatos: o que é, como funciona, onde e como é implantado, qual é o preço?

Você já imaginou se o seu cãozinho ou o seu gatinho foge de casa? Ou se ele é roubado e depois abandonado? E você sabia que você pode aumentar as suas chances de encontrá-lo com um microchip para cães e gatos?

O microchip para cães e gatos não fornece o rastreamento em tempo real, como o GPS. Porém, ele aumenta as chances de você encontrar o seu animalzinho, porque ele pode ajudar a pessoa que encontrá-lo chegar até você. As coleiras com plaquinha de identificação podem ajudar, mas o animal pode perdê-la. A conduta ao encontrar um animal perdido é sempre levá-lo a uma clínica veterinária ou a um pet shop para verificar se o animal possui um microchip e, assim, fazer a sua leitura e obter os seus dados de identificação. Além disso, o uso de microchip é obrigatório caso você faça viagens internacionais com o seu animalzinho.

Importante: o uso do microchip não dispensa o uso da coleira com plaquinha de identificação, mas ele fornece uma garantia a mais de você encontrar o seu pet. Outra opção, é você utilizar no seu animal uma coleira com rastreador GPS, assim você saberá a sua localização em tempo real.

Tire todas as suas dúvidas sobre microchip para cães e gatos logo abaixo!

1. O que é o microchip para cães e gatos?

O microchip para cães e gatos é um dispositivo eletrônico, super pequeno (1.25mm), implantado sob a pele dos animais, que armazena diversas informações sobre o animal para auxiliar na sua identificação.

Cada microchip apresenta um código numérico exclusivo e inalterável. Após a implantação, esse código numérico é registrado em alguns sites de bancos de dados online, junto com as informações do animal, como você verá a seguir.

Ah! E todos os microchips são feitos com um material biocompatível com a pele dos animais, então não causam reações e alergias!

2. Como funciona o microchip para cães e gatos?

O microchip para cães e gatos é identificado por um leitor, o qual funciona como um scanner: ele faz a varredura do sinal emitido pelo microchip por meio de um onda de radiofrequência baixa. Após a leitura, o código numérico do microchip aparece no visor do leitor.

3. Onde o microchip para cães e gatos é implantado?

O microchip para cães e gatos é implantado no dorso dos animais, mais exatamente na região entre as escápulas, como mostra a imagem abaixo.

Microchip para cães e gatos: tamanho, seringa e local de implantação

4. Como é a implantação de microchip em cães e gatos?

A implantação de microchip em cães e gatos deve ser feita exclusivamente por médicos veterinários, é rápida e indolor, semelhante a uma injeção, e não requer anestesia. Além disso, a implantação é feita uma única vez, não havendo necessidade de troca.

Confira o passo a passo da implantação de microchips em cães e gatos:

  1. O leitor é passado nos animais para verificar se não há nenhum outro microchip implantado previamente.
  2. O leitor é passado no microchip para verificar a sua funcionalidade.
  3. O microchip é implantado na região entre as escápulas dos animais com uma seringa especial.
  4. O leitor é passado novamente nos animais para verificar a implantação.
  5. O código numérico do microchip e as informações dos animais são registrados em sites de bancos de dados online.
    Microchip para cães e gatos: passo a passo da implantação

    5. Quais são os sites para registrar o microchip para cães e gatos?

Alguns sites que você registrar o microchip do seu animalzinho são:

Site do Cadastro Nacional:
http://www.abrachip.com.br

Site do Sistema de Identificação e Registro de Animais da América Latina:
http://www.siraa.net

Site do Cadastro Internacional da Virbac:
http://www.backhome.com.br/

Uma dica: você pode pesquisar se a prefeitura da sua cidade disponibilizada algum site de banco de dados online para você também registrar o seu animalzinho nele.

Além do código numérico do microchip, são registradas as suas informações, como nome, telefone e endereço, e as informações do animal, como nome, espécie, raça, sexo e data de nascimento.

Você também pode registrar outras informações, como data de vacinas e vermífugos, medicamentos que o seu animal já tomou e doenças anteriores, por exemplo, para criar um histórico dele, trazendo praticidade e facilidade para a sua vida no momento em que você precisar dessas informações!

6. Qual é o preço do microchip para  cães e gatos?

O preço do microchip para cães e gatos normalmente varia entre R$100,00 a R$200,00.

Agora que você já tirou as suas dúvidas sobre microchip para cães e gatos, já pode considerar a implantação no seu animalzinho e garantir mais uma forma de segurança para ele. Mas esperamos que você nunca precise usá-lo! 🙂

E, você quer saber como garantir que o seu pet está realmente prevenido contra diversas doenças e que ele está sendo vacinado corretamente? A resposta é simples: basta acessar o Guia de Vacinação de Cães e Gatos, desenvolvido especialmente para tutores de cães e gatos. Com este material, você poderá garantir que o seu pet está recebendo as vacinas corretas nos períodos corretos e que ele está recebendo também vacinas de qualidade, além de saber quais as doenças as quais ele está protegido e o que elas causariam, as reações adversas das vacinas, os locais indicados para aplicação de vacinas em gatos e muito mais! Clique aqui para acessar e fazer download o Guia de Vacinação de Cães e Gatos e garanta que o seu pet esteja realmente prevenido.